Processamento auditivo central na escola: como identificar e quando encaminhar – Professor Ideal:Dicas pedagógicas inovadoras

Processamento auditivo central na escola: como identificar e quando encaminhar

Processamento auditivo central na escola: como identificar e quando encaminhar

O ouvir começa com a estimulação de estruturas que estão localizadas no sistema auditivo periférico, as quais possuem o objetivo de detectar, amplificar e discriminar estímulos acústicos. Muitas pessoas possuem dificuldade para ouvir ou não conseguem perceber a presença do som, devido a comprometimentos dessas estruturas. A avaliação audiológica é responsável em quantificar o grau da perda auditiva e colaborar com esse diagnóstico.

Porém, muitas pessoas apresentam dificuldade em discriminar, reconhecer e compreender a informação auditiva, apesar de apresentar a audição dentro da normalidade. Nesses casos, é fundamental investigar o processamento auditivo central (PAC).

A avaliação do processamento auditivo é responsável por identificar, analisar e quantificar as habilidades realizadas pelo sistema nervoso auditivo central (vias de tronco encefálico e áreas cerebrais), que são fundamentais no processo de compreender a fala e no desempenho da aprendizagem.

Crianças ou adultos com imaturidade/disfunção do processamento auditivo podem apresentar uma ou mais das seguintes características:

      • solicitam frequentemente a repetição da informação oral;
      • manifestam desconforto e irritabilidade em ambientes ruidosos e com reverberação;
      • apresentam dificuldade em entender e lembrar o que é falado;
      • fazem trocas de sons na fala e ou escrita (troca do fonema /p/ e /b/ – ao invés de escreverem pato, escrevem bato; /f/ e /v/; /t/ e /d/; /k/ e /g/);
      • apresentam dificuldade em interpretar textos e enunciados;
      • manifestam dificuldade em compreender piadas, ironias e palavras de duplo sentido.
      • Comportamento desatento e distraído;
      • Desatenção a fala e aos sons que os rodeia.

As causas das alterações do processamento auditivo podem ser decorrentes de fatores hereditários ou adquiridos. Os principais fatores de causa adquirida são o quadro de otite média recorrente (principalmente nos primeiros 18 meses de vida) e a icterícia neonatal prolongada.

É importante lembrar que a avaliação do processamento auditivo é parte do diagnóstico em casos de dificuldades e transtornos de aprendizagem e é de fundamental importância que os resultados sejam analisados e integrados com outras avaliações (neuropsicológica, fonoaudiológica/de linguagem, psicopedagógica, neuropediátrica, entre outras) de acordo com os antecedentes e a queixa de cada caso.

O diagnóstico preciso favorece maiores possibilidades de orientações para pais e professores, encaminhamentos mais assertivos e condutas terapêuticas mais adequadas, minimizando o impacto do comprometimento e facilitando o processo terapêutico.


AGENDE UMA VISITA COM A FONOAUDIÓLOGA LUCIANE NA CLÍNICA CEAP

Há 20 anos promovendo diagnóstico diferenciado e oferecedno orientação de excelência para pais e escola.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *